I Congresso Hiperdada

Home ] Up ] Manifestos hiperdada ] [ Primeiro Poema Português Dada ] Breviário de Semiótica Hiperdada ] Perspectiva Antihistórica do Movimento Dada ] No Tempo dos Nossos Avós ] Arqueologia dada - um estudo superficial ] O Tempo Dilatado - A relatividade hiperdada ] Einstein entrevista Rui Zink ] Geração Feliz,  um documentário impossível ] Último poema português dada ] Introdução ao Terrorismo Cultural ] PORNEX 84 - Inventário ] Homeostética ]


Primeiro Poema Português Dada

(1917)

por Fernando Pessoa


SAUDADE DADA
 
Em horas inda louras, lindas
Clorindas e Belindas, brandas,
Brincam no tempo das berlindas,
As vindas vendo das varandas.
De onde ouvem vir a rir as vindas
Fitam a fio as frias bandas.
 
Mas em torno á tarde se entorna
A atordoar o ar que arde
Que a eterna tarde já não torna!
E em tom de atoarda todo o alarde
Do adornado ardor transtorna
No ar de torpôr da tarda tarde.
 
E há nevoentos desencantos
Dos encantos dos pensamentos
Nos santos lentos dos recantos
Dos bentos cantos dos conventos...
Prantos de intentos, lentos, tantos
Que encantam os attentos ventos.
 
 in Portugal Futurista, nº 1. Lisboa: 1917.  Contexto ed. 1981

 

Hit Counter


 FF home | FF o que é? | Historial | Futuro | O Filme | Livro de visitas | Hiperdada | Congresso | Indice

hugo.bola(at)clix.pt

Bravenet Hit Counter
Powered by Bravenet
View Statistics